Água na Boca - Dicas culinárias e receitas deliciosas

Siga-nos e compartilhe

O que acontece com estupradores dentro da prisão? Eles contam de modo chocante

Tipo:


É um fato comumente sabido que molestadores de crianças e pedófilos que são presos têm uma convivência muito difícil com seus companheiros de prisão. Muitas vezes as prisões separam criminosos sexuais dos outros para evitar muitos problemas. Mas mesmo nas penitenciárias que fazem essa segregação, isso nem sempre funciona.

Compreensivelmente, pouca simpatia é dada aos criminosos sexuais que feriram crianças. Em uma recente edição, uma revista entrevistou vários ex-presidiários que contam suas experiências e o que viram dentro da cadeia. A leitura pode ser um tanto quanto angustiante.

Um dos ex presidiários afirma que estava esperando sua extradição para outro estado quando alguns homens chegaram em sua cela e disseram que era para ele se mudar local, ou seria abusado todos os dias que estivesse ali. Um dos outros participantes da gangue se recusou violentar o presidiário e foi agredido fortemente. “Três homens correram em sua cela e o jogaram, batiam da forma mais cruel que você pode imaginar “.

Outro homem conta com ouviu seu colega ser morto pelos presidiários.”Lembro-me dele rastejando para fora de sua cela e o cara puxando-o de volta para mais (agressões). Eu podia ouvir os ossos quebrando longe. Ele morreu no caminho para o hospital. Todos os caras que participaram receberam mais cinco anos de pena, mas ele acham que isso compensava. (…) Em qualquer outro lugar que eu estivesse encarcerado, os agressores eram mantidos longe de nós.”

No entanto, outros afirmam que foram bem tratados e não presenciaram nenhum tipo de violência. “Eu estava em um ‘tanque’ que tinha cerca de 70/75 pessoas. Fomos com os trabalhadores (zeladores, servidores de alimentos, manutenção, etc.) e tivemos mais liberdades do que os outros detentos. Os guardas eram muito legais com a gente, nós preparamos a comida, limpamos seus vestiários, carros, etc. Portanto, não fomos tratados tão mal quanto os internos regulares. Poderíamos até mesmo pedir porcarias para eles (cigarros, biscoitos, revistas, se você fosse junto com eles). Nós sempre tínhamos jornais, revistas, televisão estava sempre ligada, etc. ”

O relato mais forte que pode ser lido, foi do caso de agressão e tortura psicológica feita por alguns policiais enquanto um grupo chegava na penitenciária:

“É uma mentalidade de colmeia, você não pode ir contra eles. Eu perguntei para o cara ao lado no meu grupo o que estava acontecendo e me disseram para ir junto. O cara vem para o nosso tanque em torno de 22:00h. Diz que ele era GTA ou alguma outra coisa. Lembro-me apertando as mãos com ele. Lembro-me olhando em seus olhos. Então, mais tarde naquela noite, eu ouço alguém gritando e o Sr. AA pulou por mais de 55 rapazes. Ele literalmente tinha a merda e mijo. Durou cerca de 30 segundos. O barulho! Gritando, batendo, gritando, o homem implorando por ajuda, gargarejando em seu próprio sangue, em seguida, alguns assobios e ouvimos um estrondo! E todos nós batemos no chão. Nos ordenaram para não se mover, os cães estavam latindo, eu estava rezando e chorando e, em seguida, quando nos levaram para fora, todos riram. Dois caras tinham os baldes e esfregões e graças a Deus eu não fui escolhido para limpar toda aquela sujeira. Na manhã seguinte, tivemos algumas caixas de Krispy Kreme, leite com chocolate, revistas e nada mais aconteceu. Nada foi dito. Os cozinheiros foram para cozinha, os zeladores foram para limpeza. Nada aconteceu. (…) Estava agora com medicamentos pesados e ia ver um psiquiatra. Eu tenho ataques de pânico, não posso estar em lugares lotados, depressão, etc. Era pior do que uma cena de Walking Dead, exceto que esses caras eram muito rápidos. Eles não mataram A.A. Eles bateram muito nele. Os caras arrebentaram suas pernas, braços, torso, cara, tudo ao mesmo tempo. Um rapaz manteve os óculos por algum motivo. A.A. são suas iniciais, não podemos usar nomes reais. Eu nunca vou esquecer essa merda. (…) Eu não tinha nada a ver com isso. Eu estava muito longe e fora do círculo. É uma merda que eu testemunhei isso. MAS! Ele mereceu. “



Ingredientes

Avalie esta receita
Avaliação média

votos, média: de 5

Compartilhar via WhatsApp

Deixe seu comentário